uvem de plalavras relacionadas com a inclusãoNo âmbito do projeto Melhorar a capacitação das lideranças e sensibilizar os encarregados de educação para a Educação Especial, a Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) publicou o guia de boas práticas em educação especial A Escola Inclusiva: Desafios.

Este guia parte das conclusões do trabalho dos inspetores da Educação nas visitas às escolas do país. No primeiro capítulo caracteriza-se a situação actual das escolas no que respeita à inclusão, os aspectos positivos e os aspectos a melhorar nos diferentes campos da intervenção. O segundo capítulo apresenta os referenciais para reflexão e ação em cada uma das oito dimensões estudadas. Alguns parágrafos são dedicados às tecnologias de apoio. O terceiro capítulo apresenta seis exemplos de boas práticas em educação especial nas escolas.

O projeto Melhorar a capacitação das lideranças e sensibilizar os encarregados de educação para a Educação Especial teve início em julho de 2016 e visa:

  • Sensibilizar as lideranças de topo e intermédias (diretores de turma e coordenadores de departamento) para o caráter multidimensional da intervenção junto de crianças e jovens com NEE, apelando a uma atitude colaborativa dos docentes para com as famílias e as comunidades;
  • Potenciar competências de cooperação com outros docentes e demais técnicos perspetivando uma intervenção multidisciplinar;
  • Promover boas práticas, visando uma adequada gestão das situações de aprendizagem conducente à efetivação de uma escola para todos;
  • Sensibilizar os pais e encarregados de educação para a Educação Especial;
  • Divulgar conhecimento sob forma de um guia de boas práticas com enfoque na Educação Especial.

Serão ainda promovidos cinco seminários para divulgação, debate e reflexão sobre o conhecimento produzido.

Descarregue o guia A Escola Inclusiva: Desafios no sítio web da IGEC (formato PDF, 4,4 MB). Opcionalmente, pode consultar o guia A Escola Inclusiva: Desafios na plataforma Issuu.

Professora Olga LizasoainA professora Olga Lizasoain, pedagoga e autora de livros sobre o apoio escolar a alunos em contexto hospitalar, ministrou recentemente mais uma edição do Curso Pedagogia hospitalaria na plataforma Miríada X.
O curso apresenta os aspectos específicos do trabalho com alunos hospitalizados que, para além de conviverem com a doença e com os respectivos procedimento médicos, devem também resolver os problemas da ausência de uma vida normal e os impactos sobre os contextos escolares, sociais e familiares.
Os objetivos do curso são analisar o impacto da doença e da hospitalização na vida pessoal e social dos alunos e das famílias e apresentar propostas de ação a partir da pedagogia hospitalar para a inclusão social e escolar dos alunos em situação de doença.
Aberto para consulta a todos os interessados, o curso é constituído por 7 módulos: Contextualização da Pedagogia Hospitalar; A doença na etapa infanto-juvenil; A hospitalização e suas características; Indicações gerais de actuação pedagógica no hospital; As aulas hospitalares; Intervenção educativa domiciliária; O regresso à escola.
O curso está disponível em língua espanhola.
A plataforma Miríada X é uma iniciativa da Telefónica Educación Digital e da Universia que, desde janeiro de 2013, apresenta cursos online (MOOC) de excelente qualidade, propostos por de centenas de universidades ibero-americanas num espaço em que se transmitem conhecimentos de forma livre de modo a fomentar a partilha de experiências e ideias.
[Este artigo foi também publicado no blogue das escolas de hospital.]

 No âmbito de mais uma iniciativa de divulgação de boas práticas e experiências inovadoras, a Direção Geral de Educação vem produzindo conferências que partilha semanalmente na página Webinars DGE.

No início de Março, foi apresentado um webinar que pretendia mostrar a experiência dos Centros de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC) de Cinfães e de Portalegre na criação de soluções tecnológicas livres e de baixo custo para alunos com necessidades educativas especiais (NEE).

A rede nacional de CRTIC tem vindo a avaliar as necessidades dos alunos com NEE no que respeita a tecnologias de apoio para garantir o acesso ao currículo. Esta rede nacional, criada em 2007-2008,  constituiu-se nos últimos anos como a rede de entidades prescritoras de produtos de apoio financiados pelo Ministério da Educação que integra o Sistema Nacional de Atribuição de Produtos de Apoio, o qual abrange também o Ministério da Saúde e o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

A exploração de soluções de baixo custo e de software livre que possam suprir as necessidades mais imediatas dos alunos é uma tendência que tem dado muitos frutos, possibilitando o surgimento de respostas personalizadas e propostas inovadoras.

No webinar Tecnologias de Apoio Livres e de Baixo Custo, a Dra. Laura Chagas, do CRTIC de Portalegre, e o Dr. Francisco Borges, do CRTIC de Cinfães, convidados deste webinar, falam das soluções tecnológicas que têm desenvolvido e dos desafios, descobertas e ganhos ao longo do caminho.

 No próximo dia 22 de abril, a Gulbenkian apresenta uma proposta muito atractiva de visita aos seus espaços. Convidando a "descobrir a arte em família de forma inclusiva", o Sábado a seguir à Páscoa será dedicado às famílias com crianças, jovens e adultos com necessidades educativas especiais.

Por isso, haverá actividades de cariz artístico para serem tocadas, cheiradas, ouvidas, dançadas, desenhadas ou somente observadas a partir dos diferentes acervos da Fundação Calouste Gulbenkian: Museu Gulbenkian, Música e Jardim, enquanto espaços inclusivos.

Visita desenhada, Brincar através da arte, DJ por um dia, O meu, o teu, o nosso jardim, Circo para todos, Começar e Visita dançada são as sete actividades disponíveis em diferentes horas do dia 22, todas para maiores de 6 anos. Veja os horários na página do evento Arte Acessível.

Para poder participar é necessária inscrição até ao dia 12 de abril, através do telefone 217 823 491, ou dos endereços de email mmendes@gulbenkian.pt ou mcrodrigues@gulbenkian.pt.

A Associação Salvador lançou o Manual para Pessoas com Deficiência Motora na quinta-feira, dia 30 de Março.
Na cerimónia de lançamento estiveram presentes a Dra. Ana Sofia Antunes, Secretária de Estado para a Inclusão das pessoas com deficiência, o Dr. Humberto Santos, Presidente do INR, o Presidente da Associação Salvador, Salvador Mendes de Almeida e representantes de várias instituições, nomeadamente aquelas que colaboraram na criação do manual.
Segundo o Presidente da Associação Salvador, o objectivo do Manual é "agregar todas as informações úteis que se encontravam dispersas, facilitando o dia-a-dia das pessoas com deficiência motora, cuidadores e técnicos."
Com mais de duzentas páginas, apresenta temas tão relevantes como a reabilitação, saúde, transportes, habitação, isenções fiscais, desporto, emprego, acessibilidade dos edifícios e uma extensa listagem de contactos.
Um dos capítulos é dedicado aos produtos de apoio e refere as entidades responsáveis pela sua atribuição e, dependendo da situação de cada pessoa, as etapas e formas de obter esses produtos. "Caso o produto de apoio seja para utilização em contexto escolar, a avaliação do mesmo é efetuada através dos Centros de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC)."
O Manual está disponível em formato papel mas, com o objectivo de manter a sua validade através de actualizações regulares, está também disponível em versão digital.
Consulte ou descarregue o Manual para Pessoas com Deficiência Motora (formato PDF, 18 MB).

Participantes da reunião Iniciativa Competências Digitais

O acesso às competências digitais é uma forma de reforçar a cidadania (António Costa)

A Iniciativa Nacional Competências Digitais (INCoDe.2030) foi apresentada ontem, dia 3 de Abril, no Teatro Thalia, em Lisboa.

Segundo João Barros, CEO da empresa Veniam e orador convidado, só em Portugal há 15 mil empregos para programadores. Na Europa existe mercado para 500 mil pelo que o reforço do investimento nas competências digitais é um factor fundamental de competitividade. O Presidente do Fórum Permanente para as Competências Digitais, criado no âmbito desta Iniciativa, moderou um debate com empresários, representantes de alunos e um director de agrupamento de escolas. Encerrou a sessão o primeiro-ministro António Costa.

Com a iniciativa agora lançada, que se estende até 2030, pretende-se garantir a literacia e inclusão digitais para o exercício pleno da cidadania; estimular a especialização em tecnologias e aplicações digitais para a qualificação do emprego e uma economia de maior valor acrescentado; e produzir novos conhecimentos em cooperação internacional.

Para conseguir estes objectivos foram delineadas 33 medidas organizadas em cinco eixos: inclusão, educação, qualificação, especialização e investigação.

Com a Inclusão, quer-se generalizar o acesso às tecnologias digitais a toda a população, para obtenção de informação, comunicação e interacção. Na Educação, focam-se as camadas mais jovens e o reforço da literacia digital em todos os ciclos de ensino e de aprendizagem ao longo da vida. O eixo da Qualificação contém medidas para a capacitação da população ativa de modo a que possa participar num mercado de trabalho que depende das competências digitais. Com o quarto eixo promove-se a especialização em tecnologias digitais e aplicações para a qualificação do emprego e a criação de maior valor acrescentado na economia, nomeadamente através da formação contínua, mestrados especializados em competências digitais, laboratórios de inovação, etc. Com o eixo da Investigação aposta-se nas condições para a produção de novos conhecimentos e maior participação em redes e programas internacionais de Investigação e Desenvolvimento.

Para saber mais sobre esta Iniciativa e sobre a forma como está organizada, visite a página da INCoDe.2030.

 A Fundação AFID, em colaboração com o grupo Auchan-Jumbo de Alfragide e na sequência de um projeto de voluntariado dos seus colaboradores, organiza o evento Caminhar pela Diferença.

Esta Caminhada decorre no próximo dia 2 de abril, domingo, entre as 10h e as 11h30.

Existe um kit que pode ser levantado na sede da AFID Diferença até ao dia da Caminhada.

Os participantes devem obrigatoriamente inscrever-se na Caminhada. Existe um custo associado de 5 euros para os participantes com idade superior a sete anos.

O valor pode ser pago por transferência bancária no levantamento do kit da caminhada na sede da Fundação.

O percurso tem aproximadamente 5 km.

Esta Caminhada acontece no dia estabelecido em 2007 pela Organização das Nações Unidas como Dia Mundial da Consciencialização do Autismo. De entre as várias iniciativas que ocorrem neste dia, uma das mais mediáticas é a campanha Light It Up Blue: lares, casas comerciais e vários monumentos emblemáticos são iluminados de azul, e muitas pessoas vestem-se de azul, de forma a lembrar cada vez mais pessoas da importância de dar atenção às pessoas com autismo.

Consulte o Regulamento da Caminhada Caminhar pela Diferença (formato PDF) Para se inscrever utilize o formulário de inscrição Caminhar pela Diferença.

 Já está disponível uma nova versão do Picto-Selector. Este programa torna mais fácil a criação, impressão e gestão de tabelas de comunicação. Para além de muitas outras características distintivas, o Picto-Selector reúne milhares de símbolos pictográficos de várias bibliotecas de imagens.

A versão mais recente, integralmente traduzida em português, pode imprimir várias tabelas numa única página, tem novos modelos de páginas e exporta tabelas para ficheiros RTF.

Os ficheiros RTF podem ser abertos e manipulados em programas de processamento de texto. Esta opção é interessante para a realização de testes, fichas de trabalho e outros materiais com recurso às ferramentas próprias de programas como o Open Office Writer ou o Word.

Quanto aos modelos de páginas, para além de podermos criar tabelas para diferentes digitalizadores existentes no mercado, agora estão também disponíveis cartões de Bingo e cubos. Uns e outros podem ser usados para criar jogos com finalidades diversas ou como ferramentas específicas para a aprendizagem e treino da comunicação aumentativa.

Encontre todas as novidades da última versão no pequeno vídeo a seguir.

Que novas ideias de utilização educativa lhe sugerem estas novidades?

 Na semana passada trabalhámos com uma criança cuja actividade favorita é assistir a vídeos de um personagem famoso dos desenhos animados.
Como cada vídeo tem que ser lançado pelos professores identificámos, entre outras melhorias, a possibilidade de ser o aluno a iniciar a reprodução de episódios específicos.
No entanto, devido às dificuldades motoras, não pode movimentar o rato e activa o botão direito involuntariamente.
Para utilizar programas de estimulação ou de causa-efeito e algum outro software podemos muitas vezes socorrer-nos apenas do botão esquerdo do rato podendo, por isso, fixar o rato e bloquear o botão direito.
Para impedir a deslocação do rato podemos usar material antiderrapante ou, de forma mais permanente, colar fita velcro no rato e na mesa.
Para bloquear o botão direito existem várias opções. A mais imediata consiste em colocar um papel dobrado ou Bostik/Blu-Tack/Patafix por baixo do botão. Para resultados mais permanentes, pode usar-se cola quente. Uma outra solução consiste em alterar o funcionamento do rato através de software: alguns controladores de rato (veja em Painel de controlo/Alterar definições do rato) permitem bloquear os botões; também pode descarregar um programa como o Kid Key Lock, que bloqueia os botões, a roda central ou mesmo o duplo clique.
Finalmente, uma solução caseira muito interessante, proposta por Linda J. Burkhart, é a Casa do Rato.

 A Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra realiza, no dia 18 de Março, de 2017, entre as 09:30h e as 13:30h, no Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral de Coimbra, a ação de formação Necessidades Educativas Especiais, ministrada pelo Doutor José Correia Lopes. As inscrições estão já abertas e têm o custo de 10 euros (estudantes) e 40 euros (profissionais).

Esta ação de formação é dirigida a todos quantos interagem com crianças e jovens com Necessidades Especiais, especialmente psicólogos, técnicos superiores de serviço social, docentes, educadores e animadores sociais, outros profissionais, estudantes, pais e encarregados de educação.

As inscrições são efetuadas online em
http://educacaoformacao.apc-coimbra.org.pt/form_externa.php.

Esta, como outras formações, decorrem da experiência que a APCC tem vindo a desenvolver na avaliação contínua de diversos profissionais, integrando agora também a formação contínua de professores.

Consulte também o programa da ação de formação Necessidades Educativas Especiais (PDF).