Saltar para o conteúdo

Fotos parcial da capa do programa com esferográficaSob o tema “Equidade e Inclusão na Educação”, está a decorrer o 8º Congresso ISEC2015. De 26 a 29 de Julho de 2015, dividido entre o Auditório da Faculdade de Medicina Dentária e as instalações do Instituto de Educação, o Congresso reúne profissionais, investigadores, decisores políticos e Organizações Não Governamentais de mais de 30 países para partilharem boas práticas, informações e novas ideias sobre educação inclusiva.
O ISEC (Inclusive and Supportive Education Congress) realiza-se a cada cinco anos e, pela primeira vez, sai do Reino Unido. Este 8th Inclusive and Supportive Education Congress- ISEC2015 Lisboa foi organizado pela Pró-Inclusão - Associação Nacional de Professores de Educação Especial/Portugal (PIN - ANDEE) e pela National Association For Special Educational Needs/UK (NASEN).
Para além do lançamento do livro Struggles for Equity in Education, de Mel Ainscow, e do livro de haikus Plural & Singular, de David Rodrigues, o Congresso conta com conferências plenárias, encontros de reflexão, mesas redondas, centenas de sessões simultâneas e muitas oportunidades para usufruir da cultura e hospitalidade portuguesas e para encontrar e conhecer colegas neste acontecimento ímpar em Portugal.
O CANTIC tem estado neste evento para mostrar o trabalho dos Centros de Recursos TIC em Portugal.
Para saber o que se tem passado por aqui, veja o site do Congresso ou descarregue o programa detalhado e veja as fotos aqui e na página de Facebook do Congresso.

Este slideshow necessita de JavaScript.

DSC_2162Em 1999, o CANTIC montou dois sistemas de videoconferência no Hospital Dona Estefânia, de modo a permitir a um aluno hospitalizado participar nas aulas da Escola n.º 94. Apesar da escola não estar afastada da enfermaria mais do que alguns metros, mesmo assim o aluno não podia deslocar-se lá.
Com 8 anos, o Nuno Vicente tornou-se o primeiro aluno a ser apoiado pelo CANTIC em ambiente hospitalar no âmbito do projecto TeleAula.
O custo dos sistemas foi suportado por um protocolo assinado pelo Ministério da Educação, pelo Ministério da Saúde e pela Portugal Telecom.
Para as comemorações do 138º aniversário, o Hospital Dona Estefânia convidou o Nuno vicente para falar sobre o percurso que, com apenas quatro anos, iniciou no Hospital até à actualidade.
A Dra. Eulália Ribeiro apresentou o livro Sou Feliz à Minha Maneira, ajudando a uma leitura global desta história de vida. Destacou a referência aos adultos importantes para a vida do Nuno, as actividades de hospital durante um internamento de vários anos, o papel da família e a importância da tecnologia. Terminou a sua apresentação com a leitura do poema Consciência.
Agora que está no terceiro ano de Ciência Política, no ISCTE, o Nuno falou da vida no Hospital, das dificuldades, de algumas das histórias que lá viveu e dos sonhos, de escrita e não só, que lhe guiam as decisões. No final, toda a sala se levantou para aplaudir a coragem deste jovem que não deixou que a doença o marcasse para sempre e que decidiu ser feliz à sua maneira.
Parabéns, Nuno Vicente!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Três crianças debruçadas sobre um livro abertoAgora que o conforto dos fins de tarde e os fins de semana com sabor a verão nos convidam a retomar os livros interrompidos, parece mais do que nunca a altura para relembrarmos a importância da literacia.

Existem muitos estudos sobre os impactos da literacia na saúde. Todos parecem concluir que existe uma associação entre a baixa literacia e problemas de saúde.
Segundo um estudo canadiano, cuja validade foi recentemente reiterada pela Canadian Paediatric Society, promover a literacia é um aspecto fundamental a ter em conta na prática da medicina preventiva e vai mais longe dizendo que a literacia é não só um bom medicamento como também uma decisão económica inteligente.

O programa Ler+ dá saúde apontava para o papel dos profissionais de saúde na promoção da literacia e disponibilizava uma brochura com várias consequências directas e indirectas dos níveis de literacia na saúde.

Embora não tenhamos conhecimento em Portugal de projectos em que os profissionais de saúde ponham explicitamente em prática as recomendações decorrentes destes estudos, em muitos hospitais, no apoio às consultas e aos alunos em internamento, existem profissionais da educação que providenciam acompanhamento escolar.

No Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, Hospital de Dona Estefânia, Hospital de Santa Maria e Instituto Português de Oncologia de Lisboa consideramos fundamental a criação de espaços escolares estimulantes que proporcionem actividades educativas ricas, de modo a minimizar os riscos que, a nível escolar e social, podem advir dos internamentos.

A avaliação deste trabalho, parcialmente espelhado no blogue das escolas de hospital, é posta em comum no final de cada ano lectivo no Encontro TeleAula.
Para saber mais sobre as actividades que as escolas realizam e partilham entre si, visite o blogue dos hospitais. Para ver algumas imagens do 18º Encontro TeleAula, veja o artigo anterior e o vídeo que disponibilizamos aqui.

Este artigo foi publicado também no blogue das escolas de hospital.

3

boloO Encontro anual da rede de escolas de hospital do projeto TeleAula, que envolve o Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, Hospital de Dona Estefânia, Hospital de Santa Maria e Instituto Português de Oncologia, realizou-se no dia 24 de Junho na Escola Básica 2, 3 José Cardoso Pires. Partilhar um ano de trabalho intenso e produtivo, falar das pequenas e grandes histórias, as vitórias e as perdas, contar dos alunos que foram passando pelas escolas e das actividades que, sob o mote “Ideias com Luz” definido no final do ano passado, com eles se foram criando, reflectir e desabafar sobre a difícil tarefa de, em condições adversas de saúde e isolamente, manter o interesse das crinças e jovens na escola são motivos sobejos, se mais não existissem, para celebrar. Este ano, juntámos também a celebração do 18º Encontro, com um belíssimo bolo comemorativo. Dezoito encontros depois, é importante recordar o enorme percurso realizado desde que no final da década de 90 se iniciou esta aventura, feita de muitas crianças e jovens mas também de muitos profissionais de saúde e, claro está, de muitos professores, tanto nos hospitais como nas escolas de referência!

Este ano, contámos também com as presenças da professora Isabel (da Escola de Alcabideche) e dos professores Alcides, Carlos e Victor (Escola da Bobadela) que nas Escolas de Referência têm criado desafios para os alunos (e os professores também!), enriquecendo ainda mais a prática das escoalas de hospital.

Depois de um magnífico almoço partilhado, com as iguarias que só aqui se provam, passámos uma excelente tarde de aprendizagem na companhia da professora Paula Abrantes que nos guiou no uso de alguns robots Lego Mindstorms.

Quanto ao próximo ano, já começou a ser preparado. Como a reacção ao tema proposto pela ONU (Ano Internacional das Leguminosas) foi facilmente unânime, o tema do próximo ano é Faz de conta: Faz de contador, faz de conta-gotas, faz de conta, peso e medida, faz de conta-quilómetros, faz de conta que tanta coisa. E como o tema é tão aberto, já foram criadas balizas para uma exploração mais direccionada. Por isso, no próximo ano, a única coisa que não vamos fazer de conta é que será um ano magnífico. Porque não é preciso. Porque vai  ser.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este artigo foi publicado também no blogue das escolas de hospital.