Saltar para o conteúdo

uvem de plalavras relacionadas com a inclusãoNo âmbito do projeto Melhorar a capacitação das lideranças e sensibilizar os encarregados de educação para a Educação Especial, a Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) publicou o guia de boas práticas em educação especial A Escola Inclusiva: Desafios.

Este guia parte das conclusões do trabalho dos inspetores da Educação nas visitas às escolas do país. No primeiro capítulo caracteriza-se a situação actual das escolas no que respeita à inclusão, os aspectos positivos e os aspectos a melhorar nos diferentes campos da intervenção. O segundo capítulo apresenta os referenciais para reflexão e ação em cada uma das oito dimensões estudadas. Alguns parágrafos são dedicados às tecnologias de apoio. O terceiro capítulo apresenta seis exemplos de boas práticas em educação especial nas escolas.

O projeto Melhorar a capacitação das lideranças e sensibilizar os encarregados de educação para a Educação Especial teve início em julho de 2016 e visa:

  • Sensibilizar as lideranças de topo e intermédias (diretores de turma e coordenadores de departamento) para o caráter multidimensional da intervenção junto de crianças e jovens com NEE, apelando a uma atitude colaborativa dos docentes para com as famílias e as comunidades;
  • Potenciar competências de cooperação com outros docentes e demais técnicos perspetivando uma intervenção multidisciplinar;
  • Promover boas práticas, visando uma adequada gestão das situações de aprendizagem conducente à efetivação de uma escola para todos;
  • Sensibilizar os pais e encarregados de educação para a Educação Especial;
  • Divulgar conhecimento sob forma de um guia de boas práticas com enfoque na Educação Especial.

Serão ainda promovidos cinco seminários para divulgação, debate e reflexão sobre o conhecimento produzido.

Descarregue o guia A Escola Inclusiva: Desafios no sítio web da IGEC (formato PDF, 4,4 MB). Opcionalmente, pode consultar o guia A Escola Inclusiva: Desafios na plataforma Issuu.

Professora Olga LizasoainA professora Olga Lizasoain, pedagoga e autora de livros sobre o apoio escolar a alunos em contexto hospitalar, ministrou recentemente mais uma edição do Curso Pedagogia hospitalaria na plataforma Miríada X.
O curso apresenta os aspectos específicos do trabalho com alunos hospitalizados que, para além de conviverem com a doença e com os respectivos procedimento médicos, devem também resolver os problemas da ausência de uma vida normal e os impactos sobre os contextos escolares, sociais e familiares.
Os objetivos do curso são analisar o impacto da doença e da hospitalização na vida pessoal e social dos alunos e das famílias e apresentar propostas de ação a partir da pedagogia hospitalar para a inclusão social e escolar dos alunos em situação de doença.
Aberto para consulta a todos os interessados, o curso é constituído por 7 módulos: Contextualização da Pedagogia Hospitalar; A doença na etapa infanto-juvenil; A hospitalização e suas características; Indicações gerais de actuação pedagógica no hospital; As aulas hospitalares; Intervenção educativa domiciliária; O regresso à escola.
O curso está disponível em língua espanhola.
A plataforma Miríada X é uma iniciativa da Telefónica Educación Digital e da Universia que, desde janeiro de 2013, apresenta cursos online (MOOC) de excelente qualidade, propostos por de centenas de universidades ibero-americanas num espaço em que se transmitem conhecimentos de forma livre de modo a fomentar a partilha de experiências e ideias.
[Este artigo foi também publicado no blogue das escolas de hospital.]

 No âmbito de mais uma iniciativa de divulgação de boas práticas e experiências inovadoras, a Direção Geral de Educação vem produzindo conferências que partilha semanalmente na página Webinars DGE.

No início de Março, foi apresentado um webinar que pretendia mostrar a experiência dos Centros de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC) de Cinfães e de Portalegre na criação de soluções tecnológicas livres e de baixo custo para alunos com necessidades educativas especiais (NEE).

A rede nacional de CRTIC tem vindo a avaliar as necessidades dos alunos com NEE no que respeita a tecnologias de apoio para garantir o acesso ao currículo. Esta rede nacional, criada em 2007-2008,  constituiu-se nos últimos anos como a rede de entidades prescritoras de produtos de apoio financiados pelo Ministério da Educação que integra o Sistema Nacional de Atribuição de Produtos de Apoio, o qual abrange também o Ministério da Saúde e o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

A exploração de soluções de baixo custo e de software livre que possam suprir as necessidades mais imediatas dos alunos é uma tendência que tem dado muitos frutos, possibilitando o surgimento de respostas personalizadas e propostas inovadoras.

No webinar Tecnologias de Apoio Livres e de Baixo Custo, a Dra. Laura Chagas, do CRTIC de Portalegre, e o Dr. Francisco Borges, do CRTIC de Cinfães, convidados deste webinar, falam das soluções tecnológicas que têm desenvolvido e dos desafios, descobertas e ganhos ao longo do caminho.

 No próximo dia 22 de abril, a Gulbenkian apresenta uma proposta muito atractiva de visita aos seus espaços. Convidando a "descobrir a arte em família de forma inclusiva", o Sábado a seguir à Páscoa será dedicado às famílias com crianças, jovens e adultos com necessidades educativas especiais.

Por isso, haverá actividades de cariz artístico para serem tocadas, cheiradas, ouvidas, dançadas, desenhadas ou somente observadas a partir dos diferentes acervos da Fundação Calouste Gulbenkian: Museu Gulbenkian, Música e Jardim, enquanto espaços inclusivos.

Visita desenhada, Brincar através da arte, DJ por um dia, O meu, o teu, o nosso jardim, Circo para todos, Começar e Visita dançada são as sete actividades disponíveis em diferentes horas do dia 22, todas para maiores de 6 anos. Veja os horários na página do evento Arte Acessível.

Para poder participar é necessária inscrição até ao dia 12 de abril, através do telefone 217 823 491, ou dos endereços de email mmendes@gulbenkian.pt ou mcrodrigues@gulbenkian.pt.

A Associação Salvador lançou o Manual para Pessoas com Deficiência Motora na quinta-feira, dia 30 de Março.
Na cerimónia de lançamento estiveram presentes a Dra. Ana Sofia Antunes, Secretária de Estado para a Inclusão das pessoas com deficiência, o Dr. Humberto Santos, Presidente do INR, o Presidente da Associação Salvador, Salvador Mendes de Almeida e representantes de várias instituições, nomeadamente aquelas que colaboraram na criação do manual.
Segundo o Presidente da Associação Salvador, o objectivo do Manual é "agregar todas as informações úteis que se encontravam dispersas, facilitando o dia-a-dia das pessoas com deficiência motora, cuidadores e técnicos."
Com mais de duzentas páginas, apresenta temas tão relevantes como a reabilitação, saúde, transportes, habitação, isenções fiscais, desporto, emprego, acessibilidade dos edifícios e uma extensa listagem de contactos.
Um dos capítulos é dedicado aos produtos de apoio e refere as entidades responsáveis pela sua atribuição e, dependendo da situação de cada pessoa, as etapas e formas de obter esses produtos. "Caso o produto de apoio seja para utilização em contexto escolar, a avaliação do mesmo é efetuada através dos Centros de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC)."
O Manual está disponível em formato papel mas, com o objectivo de manter a sua validade através de actualizações regulares, está também disponível em versão digital.
Consulte ou descarregue o Manual para Pessoas com Deficiência Motora (formato PDF, 18 MB).

1

Participantes da reunião Iniciativa Competências Digitais

O acesso às competências digitais é uma forma de reforçar a cidadania (António Costa)

A Iniciativa Nacional Competências Digitais (INCoDe.2030) foi apresentada ontem, dia 3 de Abril, no Teatro Thalia, em Lisboa.

Segundo João Barros, CEO da empresa Veniam e orador convidado, só em Portugal há 15 mil empregos para programadores. Na Europa existe mercado para 500 mil pelo que o reforço do investimento nas competências digitais é um factor fundamental de competitividade. O Presidente do Fórum Permanente para as Competências Digitais, criado no âmbito desta Iniciativa, moderou um debate com empresários, representantes de alunos e um director de agrupamento de escolas. Encerrou a sessão o primeiro-ministro António Costa.

Com a iniciativa agora lançada, que se estende até 2030, pretende-se garantir a literacia e inclusão digitais para o exercício pleno da cidadania; estimular a especialização em tecnologias e aplicações digitais para a qualificação do emprego e uma economia de maior valor acrescentado; e produzir novos conhecimentos em cooperação internacional.

Para conseguir estes objectivos foram delineadas 33 medidas organizadas em cinco eixos: inclusão, educação, qualificação, especialização e investigação.

Com a Inclusão, quer-se generalizar o acesso às tecnologias digitais a toda a população, para obtenção de informação, comunicação e interacção. Na Educação, focam-se as camadas mais jovens e o reforço da literacia digital em todos os ciclos de ensino e de aprendizagem ao longo da vida. O eixo da Qualificação contém medidas para a capacitação da população ativa de modo a que possa participar num mercado de trabalho que depende das competências digitais. Com o quarto eixo promove-se a especialização em tecnologias digitais e aplicações para a qualificação do emprego e a criação de maior valor acrescentado na economia, nomeadamente através da formação contínua, mestrados especializados em competências digitais, laboratórios de inovação, etc. Com o eixo da Investigação aposta-se nas condições para a produção de novos conhecimentos e maior participação em redes e programas internacionais de Investigação e Desenvolvimento.

Para saber mais sobre esta Iniciativa e sobre a forma como está organizada, visite a página da INCoDe.2030.