Ficha com campos de formulárioComo referíamos na primeira newsletter, é o contacto diário com os alunos e professores que nos faz alimentar e perceber o quão importante é esta partilha!
O blogue tem vindo a construir-se semanalmente como espaço de reflexão aberta para todos os professores, alunos, pais e profissionais que exploram a importância das tecnologias de apoio na inclusão.
Ao publicar o artigo sobre formulários no Word 2003, alguns professores comunicaram-nos a dificuldade em realizar os mesmos procedimentos no Word 2007 e 2010. De facto, nas versões mais recentes, é necessário activar um separador que, para além de outras ferramentas importantes, contém os botões para a construção de formulários.
Sentimos, por isso, a necessidade de partilhar um vídeo que tenha em conta as especificidades das novas versões. Apesar de mostrarmos no vídeo a interface do Word 2007, os passos são idênticos nas versões do Word 2010 e Word 2013.
Pode também descarregar os ficheiros tutoriais em PDF correspondentes ao Word 2007 directamente na página do CANTIC.
Em breve publicaremos um artigo sobre a criação de formulários no Open Office, uma solução gratuita de elevada qualidade, que usamos e recomendamos cada vez mais.

Imagem inicial da actividade GRID2O acesso indirecto através de varrimento possibilita a utilização de equipamentos e recursos que, de outro modo, não estariam disponíveis para muitos alunos.

No entanto, esta técnica só pode ser usada quando não há outras opções, por ser muito complexa e morosa. O utilizador está sempre dependente do varrimento de um conjunto de opções que pode ser vasto. Deixar passar a opção correcta implica novo ciclo de varrimento; seleccionar a opção errada implica novo ciclo (caso não seja necessário mais um ciclo para apagar o erro). Assim, o tempo de espera pela opção correcta obriga a enorme atenção e concentração. Encontrar a velocidade ideal é um processo que depende das características do aluno mas também pode depender do período do dia, nível de cansaço, etc.
Por isso, para utilizadores de varrimento, é fundamental simplificar tarefas. O GRID 2 tem algumas características que minimizam o esforço de uso como, por exemplo, a predição de texto para as tarefas de escrita.

A educadora Anabela Caiado partilhou teclados interessantes no espaço online da Sensory para o GRID 2. Para um aluno que usa vários destes teclados, decidimos alterar a mensagem inicial (no teclado Escolhe a palavra P) de modo a que se ouça a voz automaticamente. Desta forma, as mensagens e sugestões iniciais são ouvidas pelo aluno sem necessidade de cliques adicionais. O vídeo abaixo mostra o processo de alteração.

1

Documento com formuláriosA realização de testes e fichas escritas, componente fundamental do processo de avaliação, coloca a muitos alunos dificuldades que ultrapassam o desafio intelectual inerente a estas provas. Para mitigar o esforço da resposta escrita, os alunos podem usar computador, ter mais tempo para realização das provas e, inclusive, criar com os professores estratégias de simplificação do processo de resposta (usar abreviaturas, responder por tópicos, etc.).
No caso de usarmos o computador, é importante formatar os documentos de modo a torná-los acessíveis aos alunos que os vão utilizar. Os formulários são uma ferramenta disponível nos processadores de texto que pode ser implementada de forma simples e rápida nas fichas e testes já existentes. A criação de campos de resposta permite uma navegação facilitada e o foco na tarefa e evita a alteração acidental do enunciado. Assim, os alunos com deficiência motora e alguns alunos com deficiência visual beneficiam destas adaptações porque podem usar o teclado (tecla TAB) ou um switch para navegar rapidamente entre os campos de resposta.
O vídeo abaixo mostra a utilização de campos de formulário no Microsoft Word 2003.
Pode também descarregar os ficheiros tutoriais em PDF sobre a construção de formulários na página do CANTIC

2

Caderno de comunicaçãoQuem usa software de comunicação aumentativa tem hoje uma enorme variedade de opções gratuitas e comerciais que podem dar resposta às suas necessidades.
Os programas comerciais (The GRID 2, Speaking Dynamically Pro, Comunicar com Símbolos) ou as aplicações para tablets (Vox4all e outras) são, normalmente, soluções mais completas e robustas mas são muitas também as vantagens dos Recursos Educativos Abertos e software gratuito (para além da disponibilidade imediata e das possibilidades de melhoria e participação no desenvolvimento).
O Picto-Selector, o SISCODIS, o TICO ou mesmo o Picto4me (extensão para o Google Chrome) são exemplos com características e potencialidades diferentes mas com aspectos positivos que podem responder a um número significativo de pessoas.
O Plaphoons é outro programa gratuito, criado por Jordí Lagares Roset, um professor de matemática catalão.
Disponível há muitos anos, foi evoluindo e sendo enriquecido pelo autor com as numerosas sugestões dos seus utilizadores. Por isso, para além de permitir criar tabelas para impressão ou uso no computador, pode ser usado para actividades curriculares. É possível voz de síntese e digitalizada, pode ser usado como teclado predição de texto e os teclados criados podem ser utilizados em tablets. As opções de varrimento permitem o acesso através de comutadores por pessoas com dificuldades motoras.
No vídeo que apresentamos abaixo mostramos a criação de duas tabelas ligadas, pensadas para utilização em contexto escolar - uma com actividades na sala de aula e a outra para a higiene.
Pode descarregar o programa e vários teclados exemplo na página de descarga ou ver mais informações na página do Plaphoons.

1

Foto do switch AugustusO varrimento é uma técnica de acesso indirecto usada geralmente por pessoas com dificuldades motoras severas para utilização do computador ou de outras tecnologias, como digitalizadores de fala.

Contrariamente ao acesso directo, em que se pressionam teclas num teclado ou itens num ecrã, por exemplo, os utilizadores de varrimento têm que esperar que o equipamento com que estão a interagir percorra os itens disponíveis e, em seguida, com a activação de um comutador, escolhem a opção desejada. Existem no mercado comutadores com diferentes, tamanhos e formas de activação. No entanto, é possível construir comutadores para responder a necessidades específicas. Hoje, partilhamos o esquema de construção do Switch Augustus, um comutador criado por um colega que utiliza um interruptor de campainha e que, pela sua resistência, pode inclusive ser accionado com o pé.

[Editado: O Switch Augustus, com um nome a fazer lembrar alta costura ou imperadores romanos, deve a designação ao professor Augusto, da EB23 Gaspar Correia. A partir das indicações do CANTIC, este colega construiu vários manípulos deste tipo, visualmente agradáveis e com uma resistência exemplar. Um dos manípulos tem resisitido a centenas, se não milhares, de pés - usamo-lo há vários anos em todas as demonstrações públicas que fazemos, para mostrar o controlo de um brinquedo com os membros inferiores.]

Visualize e descarregue os desenhos do Switch Augustus.

Pode ver um pequeno manual de construção de comutadores e interfaces para comutadores na página do Eng.o Antonio Sacco. Descarregue o manual em http://goo.gl/svIS41

Foto do Ambiente de TrabalhoUm ambiente de trabalho organizado facilita o uso do computador e pode minimizar as distracções e o tempo perdido em arrumações constantes.

Apesar de alguns alunos precisarem de alterações mais específicas, os passos seguintes podem ajudar.

Criar uma conta de utilizador
Se um aluno necessitar alterações significativas do Ambiente de Trabalho, crie uma conta de utilizador que permita o acesso directo a um espaço organizado à sua medida.

...continue a ler "Organização do Ambiente de Trabalho I"

3

Logo JClicNo âmbito de um curso realizado recentemente, criámos uma actividade em JClic (ver no final) com os primeiríssimos passos do método das 28 palavras. Apesar de ser uma ideia que vamos continuar a desenvolver, apresentamo-lo nesta fase seminal como proposta para quem usa o método das 28 palavras e queira avançar neste trabalho.

O Jclic é um programa de autoria criado por Francesc Busquets. É indicado para a criação rápida de actividades pedagógicas no computador. Dentre as características mais interessantes para os educadores destacaríamos a versatilidade, facilidade de utilização e a enorme base de utilizadores, que criam actividades, respondem a dúvidas, criam materiais de suporte e ajudam no desenvolvimento.

Os 16 tipos de actividades possíveis dividem-se em cinco categorias distintas:

...continue a ler "Programa JClic"

1

banner-plip-680x303Fruto de uma iniciativa do Instituto Politécnico de Leiria, o Projeto de Leitura Partilhada Inclusiva (PLIP) pretende levar os livros a TODOS, através do desenvolvimento de kits de leitura multiformato (livros em formato Braille e em alto-relevo, audiolivros, audiolivros em formato Daisy, vídeo-livros em Língua Gestual Portuguesa - LGP, pictogramas, versões simplificadas, entre outros).

Para além da adaptação de obras já publicadas, alguns livros foram criados especialmente no âmbito deste  projeto. Com esta inciativa e outras que lhe estão associadas, pretende-se contribuir para  que os leitores com necessidades específicas possam ter acesso aos livros em versões com novos formatos.

...continue a ler "Leitura Inclusiva"

O "IBM Social Accessibility Project" é um projecto que tem como objectivo promover a acessibilidade web. Este projecto assenta numa dinâmica colaborativa onde uma comunidade social em rede promove, em regime de voluntariado, acessibilidade na Internet para pessoas cegas ou com baixa visão.

O blogue Archdaily publica diariamente artigos e fotos sobre obras importantes da arquitectura mundial. Sendo um sítio web de referência nesta área, é de louvar a publicação do ensaio O Arquiteto e a Cidade Acessível, de Sophia Bannert. Neste texto, a autora reflecte sobre a importância da acessibilidade a partir do ponto de vista de um utilizador de cadeira de rodas.
Decidimos traduzir este artigo, disponibilizado agora no Archdaily Brasil, relembrando uma iniciativa do CANTIC que, na abertura de um Centro Comercial em 1997, realizou uma análise da acessibilidade registando as dificuldades de seis alunos de Design que circularam pelos espaços e utilizaram os equipamentos daquele Centro Comercial, deslocando-se em cadeiras de rodas.
O artigo pode ser lido em http://www.archdaily.com.br/112664/the-architect-and-the-accessible-city-the-prize-winning-essay/