Saltar para o conteúdo

Alunas do Instituto PiagetNo dia 19 de janeiro, pelas 15 horas,  um grupo de alunas da Pós-Graduação em Educação Especial do Instituto Piaget de Almada visitou as instalações do CANTIC.

Enquanto futuras docentes de Educação Especial, eram objetivos da visita o conhecimento mais profundo deste Centro de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC) e o contacto directo com os dispositivos, programas e técnicas usados na avaliação e apoio a alunos com necessidades especiais.

Nesse sentido, depois de uma pequena história do CANTIC, foi explicada a missão, objetivos e propósitos de trabalho dos CRTIC e foram demonstrados e experimentados pelas alunas diversos equipamentos de apoio à comunicação, brinquedos adaptados, dispositivos de facilitação do acesso ao computador, programas como o GRID, o Plaphoons ou o Headmouse e outras tecnologias de apoio.

Pode ver algumas fotos destas três horas de trabalho no álbum Visita do Instituto Piaget.

 No dia 12 de Janeiro, pelas 10:00h, os professores dos Centros de Recursos TIC reuniram no Fórum Picoas para formação na utilização do programa de comunicação aumentativa GRID3 e atribuição de um computador portátil (com licença do GRID3) pela Fundação PT.

Durante a manhã e início da tarde, depois da entrega dos computadores aos Centros de Recursos, a ANDITEC dinamizou uma oficina em que foram abordados aspectos e tarefas essenciais no programa GRID3.

A segunda parte do dia foi preenchida com uma cerimónia em que se celebrou um protocolo de colaboração entre a Fundação PT e a Direção Geral da Educação (DGE).

A Presidente da Fundação PT, Graça Rebocho, iniciou a sessão apresentando a organização interna das soluções tecnológicas de acessibilidade da Fundação.
José Vítor Pedroso, Director Geral da DGE, referiu a urgência de uma escola cada vez mais inclusiva para maior equidade escolar e social.

Ana Sofia Antunes, Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, referiu a importância da educação para a inclusão e o esforço que tem sido realizado nesse sentido, salientado, no entanto, que a escolarização tem que favorecer a empregabilidade e que as empresas devem admitir mais pessoas com deficiência.

Falaram ainda Humberto Santos, Presidente do Instituto Nacional de Reabilitação e o Presidente Executivo da Portugal Telecom, Alexandre Fonseca.

A terminar, foi atribuído um computador portátil com GRID3 a uma jovem utente da Associação Sol.

 A ANDITEC promove um conjunto de acções de formação sobre tecnologias de apoio para a comunicação. A primeira destas acções, com o tema Suportes de Comunicação Aumentativa, decorre já no dia 20 de Dezembro, na sede da ANDITEC, em Lisboa, e tem como principal objetivo capacitar os formandos para construir uma Tabela e um Caderno de Comunicação, recorrendo ao Software Boardmaker.

Serão ainda referidos de uma forma muito genérica os "suportes dinâmicos" que serão objecto de curso posterior.

Dinamiza esta formação a Dra. Margarida Nunes da Ponte.

O custo é de 45 euros até hoje, dia 12 de Dezembro, e de 50 euros até dia 19 de Dezembro.

Para conhecer o programa da formação e dos restantes cursos programados para este ano, consulte a newsletter de Novembro da ANDITEC.

 Qual a razão para incluir calão e palavras de temáticas inapropriadas nas bibliotecas de símbolos?

Nestes ou noutros termos, esta é uma questão recorrente de quem inicia o trabalho de comunicação aumentativa com recurso a pictogramas. A pergunta é tanto mais pertinente quanto, num contexto educativo, há vocabulário raramente ou mesmo nunca utilizado.

No entanto, ao disponibilizar um conjunto alargado de símbolos, garantimos a resposta às necessidades de comunicação dos utilizadores numa grande variedade de contextos, idades e temáticas. A lógica dos criadores dos símbolos é de que é mais fácil evitar a utilização de pictogramas específicos em situações em que eles não são apropriados do que criar novos pictogramas sempre que sejam necessários – para além das dificuldades inerentes à procura e desenho do equivalente visual de uma palavra, a criação ou recriação sistemática de símbolos para um aluno pode dificultar o trabalho junto de um aluno, particularizando excessivamente a intervenção.

Mesmo assim, e dando resposta a algumas solicitações, uma das últimas versões do PictoSelector permite logo na instalação esconder as categorias de pictogramas Sexualidade e drogas.

Janela Pictos inapropriados para crianças na instalação do Picto-SelectorDesta forma, o professor, terapeuta ou cuidador não incorrem na possibilidade de inadvertidamente colocar símbolos indesejados numa tabela. Da mesma forma, há professores que nos casos em que as crianças utilizam o programa, a pesquisa ignora os símbolos nestas categorias.

Depois da instalação, esta caixa de diálogo deixa de estar disponível. Para ocultar categorias específicas, é necessário aceder às Configurações de Administrador no menu Configurações.

Janela de Configurações do Administrador

Nova biblioteca de símbolos

Na versão 1.8.5, de 15 de Novembro, foi adicionada a Biblioteca #Soyvisual, com 1094 imagens e a possibilidade de introduzir anotações nos pictogramas - esta nova característica pode ser usada para notar os plurais, futuro, passado, etc.

O CANTIC - CRTIC Amadora traduziu a Biblioteca #Soyvisual integralmente para português. Se tiver alguma sugestão ou melhoria, não hesite em contactar-nos ou contactar o autor do programa.

Para conhecer as características adicionadas ao programa nas diferentes versões, consulte a página Versões do Picto-Selector.

Todos os dias são bons para experimentar o prazer de ler mas o Verão dá-nos as sombras quentes e o tempo de lazer que nos fazem querer ainda mais folhear um livro ou uma revista ou um jornal e comungar das histórias - inventadas ou reais - que percorrem os nossos mundos - reais ou imaginados.

A história que propomos hoje não pode ser folheada mas tem outras virtudes. É uma história de Verão pensada para alunos numa fase inicial de leitura e adaptada ao programa Plaphoons.

Pode descarregar a história Um dia na praia para o Plaphoons.

Juntamos também um vídeo explicativo. Para além de poder ouvir a história, se não costuma usar o Plaphoons, no vídeo encontra também a forma de funcionamento do programa.

 Já está disponível uma nova versão do Picto-Selector. Este programa torna mais fácil a criação, impressão e gestão de tabelas de comunicação. Para além de muitas outras características distintivas, o Picto-Selector reúne milhares de símbolos pictográficos de várias bibliotecas de imagens.

A versão mais recente, integralmente traduzida em português, pode imprimir várias tabelas numa única página, tem novos modelos de páginas e exporta tabelas para ficheiros RTF.

Os ficheiros RTF podem ser abertos e manipulados em programas de processamento de texto. Esta opção é interessante para a realização de testes, fichas de trabalho e outros materiais com recurso às ferramentas próprias de programas como o Open Office Writer ou o Word.

Quanto aos modelos de páginas, para além de podermos criar tabelas para diferentes digitalizadores existentes no mercado, agora estão também disponíveis cartões de Bingo e cubos. Uns e outros podem ser usados para criar jogos com finalidades diversas ou como ferramentas específicas para a aprendizagem e treino da comunicação aumentativa.

Encontre todas as novidades da última versão no pequeno vídeo a seguir.

Que novas ideias de utilização educativa lhe sugerem estas novidades?

Tapete de mesa com símbolos pictográficosAgora já pode utilizar o Picto.Cloud em português. No final do ano, traduzimos o Picto.Cloud, uma ferramenta que, como dissemos anteriormente, complementa as vastas possibilidades do programa Picto-Selector, adicionando a funcionalidade de acesso a tabelas de comunicação e a partilha com outros utilizadores através de um espaço online.

Para usar o site, precisa primeiro de criar uma conta na área de registo do Picto.Cloud. Em seguida, tem que responder à mensagem enviada para o seu endereço de correio electrónico após o registo. Depois, aceda à sua conta no Picto.Cloud e seleccione a chave privada (Private key). Finalmente, no Picto-Selector, vá às Configurações do utilizador e abra o separador do Picto.Cloud. Copie para aqui a sua chave privada. Depois de colocar a chave privada verá o estado das suas folhas e páginas no painel esquerdo do Picto-Selector.

No site do Picto.Cloud pode ainda ver como partilhar as suas tabelas com outros utilizadores, como actualizar as tabelas com as alterações realizadas, como carregar e descarregar tabelas, etc.

Para conhecer melhor algumas das características do Picto-Selector e inspirar-se com alguns exemplos de utilização, visite o espaço de exemplos do Picto-Selector. e inspirar-se com alguns exemplos de utilização, visite o espaço de exemplos do Picto-Selector.

 

" "O programa para comunicação aumentativa Picto-Selector foi melhorado com o novo Picto.Cloud, uma ferramenta que facilita o acesso a tabelas e símbolos e a partilha com outros utilizadores.

Ainda em versão beta, o Picto.Cloud é um espaço online em que os utilizadores registados podem carregar as tabelas que criaram e, a partir daí, usá-las em qualquer local com acesso à internet ou, através do fornecimento de uma chave, permitir a utilização por outras pessoas.

O Picto-Selector (de que aqui falámos anteriormente, quando traduzimos a página de apoio à utilização do Picto-Selector) é um programa gratuito de criação de tabelas para comunicação aumentativa com características impressionantes. Dentre as muitas razões que justificam a sua descarga, destacamos um extensíssimo conjunto de imagens - mais de 28000 símbolos -, graças à utilização de bibliotecas de símbolos traduzidas em várias línguas, a facilidade de criação de tabelas e símbolos específicos para trabalhar a noção de tempo - tão apropriados para esta altura do ano!

Para já, o Picto.Cloud está disponível em inglês e holandês e, sendo uma versão beta, está sujeito a alterações significativas. Se o utilizar, pode contribuir com sugestões de melhoria contactando o autor através do sítio web do Picto-Selector.

" "Há poucos dias, recebemos a visita de um professor brasileiro que procurava documentar-se sobre a resposta das escolas portuguesas aos desafios da diversidade. Por isso, visitámos uma Unidade de Apoio à Inclusão de Alunos com Multideficiência e uma sala Snoezelen que existe no Agrupamento e que está aberta às estruturas da Comunidade que dela necessitam.

O resto do tempo disponível foi gasto num diálogo profícuo em que mostrámos o funcionamento dos Centros de Recursos TIC e o seu papel na avaliação e apoio aos alunos que precisam de tecnologias de apoio e na formação de docentes. Ao mesmo tempo, percebemos melhor a realidade das escolas do Brasil, os ganhos da escola inclusiva e os caminhos novos que vão trilhando e que se cruzam em múltiplos aspectos com o percurso de Portugal.

Entre os materiais partilhados no nosso encontro, a brochura Tecnologia Assistiva nas Escolas: Recursos Básicos de Acessibilidade Sociodigital para Pessoas Com Deficiência (2ª edição) apresenta um capítulo sobre acessibilidade, outro sobre o computador enquanto tecnologia de apoio na educação e um terceiro capítulo sobre materiais que podem ser construídos ou adpatados pelas escolas.

Por muito tempo, predominou a visão da deficiência como um problema individual, transferindo à pessoa a responsabilidade de “mudar” ou “adaptar-se” para viver em sociedade. A partir da década de 1960, essa visão começou a ser questionada e, pouco a pouco, a deficiência passou a ser entendida a partir da interação das pessoas com o contexto em que vivem. No modelo inclusivo, fundamentado nessa visão, cabe à sociedade adaptar-se para acolher as diferenças e promover condições de acesso – para todos os cidadãos, com ou sem deficiência – aos serviços coletivos de saúde, educação, trabalho, locomoção, segurança etc. (In Tecnologia Assistiva nas Escolas)

A brochura Tecnologia Assistiva (Ta): Experiências Inovadoras - Soluções de Acessibilidade apresenta alguns projectos concluídos, outros à procura de condições para avançar e ainda ferramentas gratuitas.

O livro As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas reúne contribuições de muitos autores e debruça-se sobre as tecnologias de informação e comunicação, as tecnologias de apoio e a formação de professores.

Veja algumas fotos do encontro no álbum Visita do Brasil.

Teclado de comunicação PlaphoonsRecentemente, o autor do blogue Projecte Fressa, Jordí Lagares, criou dois novos repositórios com o intuito de agregar recursos relacionados com o software que desenvolve.

O primeiro repositório chama-se Plaphoteca e reúne teclados de comunicação e actividades pedagógicas criados no programa Plaphoons. Nesta fase inicial, estão já disponíveis teclados de comunicação para diferentes utilizadores, vários teclados de escrita, teclados para interacção com jogos e teclados com outras actividades pedagógicas como o conjunto Chispas de Luz que apresentámos num artigo anterior.

O repositório Haciendo "ruido" por el mundo con el Projecte Fressa, por outro lado, pretende agrupar vídeos e páginas web em que se mostre a utilização das ferramentas criadas por Lagares e reunidas na página do Projecte Fressa.

Se criou teclados para o Plaphoons, pode disponibilizá-los no Plaphoteca. Se usa esse ou outros programas do Projecte Fressa com os seus alunos e tem vídeos documentando a sua utilização, também pode contribuir para a já enorme lista de vídeos do Haciendo ruído.

 Recentemente encontrámos três artigos que gostaríamos de partilhar. Contam a história de três pessoas ímpares para quem as tecnologias são fundamentais (apesar de as tecnologias não serem o foco dos artigos). São histórias de superação que inspiram e mostram três pessoas dispostas, cada uma de sua forma, a mudar o mundo e como estão a consegui-lo.

Kyle Schwaneke é um programador com autismo, recentemente contratado para o desenvolvimento de software para a consola Xbox da Microsoft. Este engenheiro e a sua visão do mundo estão a ajudar a construir melhores produtos.

Leia o artigo sobre Kyle Schwaneke.

Jenny Lay-Flurrie é surda. A empresa em que trabalhava promoveu-a e Jenny pensava não conseguir dar conta das novas responsabilidades que o cargo lhe traria. Pelo contrário, a empresa apoiou-a totalmente. Hoje é directora de acessibilidade na Microsoft.

Jenny Lay-Flurrie diz que sempre foi inspirada pelo mantra dos pais “A única coisa que te impede de avançar és tu” mas confessa:

Levei muito tempo a perceber que a minha deficiência é uma força. Nós nascemos a resolver problemas, somos leais e motivados. Não mudaria o meu percurso por nada deste mundo.

Leia o artigo sobre Jenny Lay-Flurrie.

Steve Gleason foi jogador da Liga de Futebol Americana (NFL). Diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica, Gleason “decidiu que o diagnóstico era mais uma razão para se preparar para viver.”
Steve criou a Fundação Team Gleason e organiza o festival Spokane’s Gleason Fest. Nas fotos do artigo pode ver-se como a tecnologia é uma extensão de si próprio.

Leia o artigo sobre Steve Gleason.

Os artigos estão em inglês mas valem o esforço de uma visita ao Google Translate.

Logótipo do portal ARASAACO portal ARASAAC, a que já nos referimos algumas vezes, oferece milhares de pictogramas sob uma licença Creative Commons (BY-NC-SA), que podem ser usados para a criação de diversos tipos de materiais pedagógicos e tabelas de comunicação.

Recentemente, foram adicionadas centenas de imagens novas. Para além da tradução para português do texto da professora Carmen Basill sobre Sistemas Aumentativos e Alternativos de Comunicação, aproveitámos para concluir a tradução dos pictogramas que não tinham o significado em português. Neste momento, a biblioteca de símbolos do ARASAAC está de novo integralmente traduzida.

A pesquisa e descarga de pictogramas no portal ARASAAC é simples mas criámos, mesmo assim, um pequeno vídeo que pode ajudar nas primeiras visitas e minimizar o tempo despendido. O vídeo tem menos de três minutos mas pode ler o resumo.

  1. Pesquisa por sinónimos - Se não encontrar um pictograma, procure sinónimos para a sua pesquisa
  2. Descarga de vários pictogramas ao mesmo tempo - Se estiver a descarregar vários pictogramas, pode armazená-los num ficheiro comprimido disponível na aplicação e, depois, descarregar o ficheiro
  3. Descarga de um pictograma - Para descarregar um pictograma, clique no ligação Descarregar imagem. O ficheiro de imagem tem o nome do pictograma pesquisado e fica armazenado na pasta de Transferências
  4. Visualização de pormenores - Para verificar se um pictograma lhe interessa, ver e ouvir noutras línguas ou confirmar se existem outras palavras associadas ao pictograma, clique sobre a imagem.
    1. Para descarregar o pictograma, use a ligação Descarregar imagem no canto inferior direito do ecrã
    2. Não use o botão direito sobre a imagem e a opção Guardar imagem como. A imagem descarregada por este processo não é legível para muitos programas.
  5. Biblioteca de imagens do ARASAAC offline - Pode descarregar um ficheiro que instala toda a biblioteca de imagens do ARASAAC no seu computador - esta opção é muito interessante para escolas sem ligação à internet ou em áreas com ligação lenta.

Se detectar incorrecções na tradução de algum pictograma, contacte-nos ou deixe um comentário.

Interface adaptada do Adapro com poucos botões e texto com pictogramasO adapro é mais um processador de texto para pessoas com dificuldades de aprendizagem como a dislexia ou o autismo. Pode ser descarregado gratuitamente, funciona sem necessidade de instalação a partir de qualquer suporte e funciona em vários sistemas operativos. É totalmente configurável para se adaptar às necessidades dos alunos, os botões das barras de ferramentas são grandes e a tarefa de gestão de documentos foi simplificada ao máximo.

Como no AraWord, existe a possibilidade de escrever um texto e ver imediatamente os pictogramas associados às palavras. No entanto, o programa tem muitas outras características que podem torná-lo especialmente adequado para alunos com dislexia ou outras dificuldades específicas. Eis algumas das vantagens apontadas pelos autores.

Teclados virtuais

Simulação de teclas com frases predefinidas referidas ou não a um contexto visual. Inclui-se uma aplicação auxiliar para a criação e edição de teclados.

Sarakanda

Letra específicamente desenhada para facilitar a leitura do texto.

PBDQ

Cores específicas das letras p, b, d e q para facilitar a sua diferenciação.

Modos de alto contraste

Combinações de coresde fundo e texto alternativas ao clássico negro sobre branco.

Gestão de documentos amigável

O sistema de ficheiros é transparente para o utilizador. Pode associar-se um pictograma ao documento. Vista rápida disponível para verificar o conteúdo do documento antes de abri-lo.

Interface de edição configurável

Podem ocultar-se botões segundo as necessidades do utilizador.

Multi-utilizador

Espaços de trabalho separados para cada utilizador. Identificação através de avatares.

Exportação para RTF

Conversão para um formato adequado para continuar a edição no Microsoft Word ou OpenOffice.

Descarga gratuita

Pode descarregar o programa a partir da página web do adapro.

Manuais em português

A utilização do adapro é muito simples e, para muitos alunos, imediata. No entanto, alguns aspectos relacionados com a gestão dos utiizadores ou a criação de teclados virtuais, por exemplo, podem apresentar dificudade adicional. Por isso, recomenda-se a leitura do manual de utilizador, do manual de administrador e do manual de teclados virtuais.
A partir de hoje, estes manuais estão disponíveis em português quando se descarrega a aplicação e na página do programa que agora tem uma versão portuguesa.
Se detectar alguma incorrecção ou quiser fazer uma sugestão, contacte-nos, deixe o seu comentário ou contacte os autores do programa. Caso já utilize o adapro e tenha teclados virtuais criados para os seus alunos, partilhe-os.

1

Janela do Araword com pictogramasO AraWord é um programa adaptado de processamento de texto que combina pictogramas e texto.
De distribuição livre, é uma ferramenta de aprendizagem e utilização muito simples que pode ser usada para diferentes actividades de leitura e escrita, para a criação de histórias, horários, sequências de tarefas, exercícios, etc. Ao escrever, o AraWord procura e mostra o pictograma correspondente à palavra escrita: desta forma, serve também como corrector ortográfico - quando não aparece um pictograma é porque o pictograma não existe ou a palavra está mal escrita.

Actualmente, o AraWord faz parte do AraSuite, um conjunto de ferramentas - AraBoard, AraWord, TICO - que nasceram como projectos separados.

Recentemente, uma colega pediu a um aluno para transcrever o Gato Gatão, poeta de profissão para o AraWord. Naturalmente, o Gato Gatão da história, personagem fundamental, não aparecia no programa.

O AraWord utiliza as imagens da enorme biblioteca de pictogramas ARASAAC. Alterar ou criar pictogramas novos sistematicamente é desaconselhado por variadas razões, entre elas, o trabalho acrescido para o professor ou cuidador, o esforço de aprendizagem para o aluno e a dificuldade em manter um registo coerente e eficaz de pictogramas personalizados. Por isso, antes de criar ou alterar pictogramas, é importante perguntarmo-nos os objectivos e validade desse trabalho: não há nenhum pictograma de significado idêntico? O conceito a transmitir com o pictograma é essencial? O novo pictograma é adequado para o aluno?

Criar novos pictogramas pode fazer sentido quando há um referente (pai, mãe, irmão, avó, personagem da história, objecto especial para o aluno,...) que ajude a diminuir o tempo de aprendizagem do símbolo pelo aluno.

Da mesma forma, a alteração de pictogramas pode ser importante por razões de coerência, facilitação da aprendizagem, etc. Por exemplo, podemos condensar pictogramas sobrepondo um sinal de correcto, incorrecto, negação sobre um pictograma existente ou concatenar pictogramas (na história dos três porquinhos, poderíamos ter um porquinho com palha ao lado, outro com madeira,...).

No vídeo, mostramos a adição de dois pictogramas personalizados na mais recente versão do AraWord. Neste caso, adicionámos a foto de uma criança e o pictograma não há (que condensa o pictograma haver com um X de negação vermelho, comum nos símbolos ARASAAC. Este novo pictograma foi criado com o programa Paint.Net). Também é possível editar os pictogramas criados previamente, como se mostra mesmo no final do vídeo.

DSC01198No dia 7 de março, no Fórum Picoas, a Fundação Portugal Telecom promoveu um workshop sobre o PT Magic Contact para Centros de Recursos TIC.

A Fundação PT é uma instituição que tem por objetivo concretizar o compromisso de intervenção social da Portugal Telecom. Entre outros projectos de interesse, a Fundação é responsável pela tradução para português dos vídeos da Khan Academy, um projecto que continua em expansão. Visite a página web da Fundação PT para saber mais sobre a sua missão, actividades e financiamento de projectos.

O PT Magic Contact é uma aplicação gratuita que facilita a utilização de dispositivos com sistema operativo Android a utilizadores com diferentes graus de limitação motora e é, simultaneamente, uma ferramenta de Comunicação Aumentativa para pessoas com dificuldades na fala.

A aplicação pode ser descarregada na loja GooglePlay já com vários teclados instalados. Na página do PT Magic Contact pode obter mais informações sobre a aplicação e criar novos teclados adaptados às necessidades de cada utilizador. Pode também descarregar o manual de utilização do PT Magic Contact.

O Centro de Recursos TIC da Guarda criou um tutorial do PT Magic Contact que mostra, em poucos minutos, o funcionamento da aplicação.

Finalmente, pode ver testemunhos de utilizadores no canal Youtube do PT Magic Contact criado pela Fundação PT para mostrar as possibilidades do programa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

1

Bolo com capa do livro "Conheces Alguém Assim"Decorreu ontem, dia 18 de Maio, pelas 10:30 horas, na Biblioteca da Escola Básica 2,3 José Cardoso Pires, o lançamento do livro Conheces Alguém Assim?, escrito por Margarida Fonseca Santos e ilustrado por Raquel Pinheiro. O livro fala da violência entre crianças e do papel do diálogo e da amizade como ingredientes-chave para a resolução de problemas. Editado pela CERCICA, faz parte do projecto 4 Leituras, uma série pioneira que faz acompanhar cada livro de um DVD que contém a versão narrada, a versão em Símbolos Pictográficos para Comunicação e a versão em Língua Gestual Portuguesa, para além de conteúdos lúdicos de natureza educativa destinados a ampliar os conhecimentos das crianças sobre as temáticas abordadas em cada uma das histórias. É possível ainda solicitar sem custos adicionais as versões em formato Braille e Daisy.

A sessão contou com a presença de diversas individualidades, nomeadamente, o Secretário de Estado da Educação Dr. Fernando Reis, a Secretária de Estado para os Assuntos Parlamentares e a Igualdade, Dra. Teresa Morais,  o Comissário do Plano Nacional de Leitura (PNL), Dr. Fernando Pinto do Amaral, e do Subdiretor-Geral da DGE, Dr. Pedro Cunha. Durante o evento houve oportunidade para falar sobre o problema da violência entre crianças, de alguns comportamentos que ajudam a prevenir e minimizar a sua ocorrência e da atenção que o tema tem merecido nos últimos anos.

A Dra. Cristina Madaleno, Directora do Agrupamento José Cardoso Pires, falou da importância dos parceiros da escola e dos projectos que o Agrupamento tem implementado para fomentar uma cultura de cooperação e entreajuda, seguida do Dr. Fernando Reis. Depois a autora e a ilustradora apresentaram o livro de uma forma muito divertida e, no final, o jornal Voz da Escola colocou-lhes várias questões e os alunos da Unidade de Apoio à Multideficiência ofereceram um presente a Margarida Fonseca Santos e Raquel Pinheiro.
O Clube de Rádio iniciou depois a sua emissão para falar sobre o lançamento do livro, entrevistar dois alunos participantes no projecto Amigos Solidários e apresentar uma turma do 5º ano, que fez a leitura expressiva do texto.

O Comissário do PNL e a Secretária de Estado para a Igualdade encerraram a apresentação do livro, tendo-se seguido um lanche com um bolo decorado com a capa do livro e uma sessão de autógrafos muito concorrida.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Plaphoons num iPadO programa Plaphoons tem uma nova versão estável. Depois de um período de teste do novo formato interno das tabelas de comunicação, a versão 865 tem um conjunto de novidades muito úteis e algumas alterações que importa conhecer.
Se criou actividades com as novas versões do programa, já não pode abri-las com as versões anteriores. Se quiser converter tabelas antigas para o novo formato, existe uma opção no menu Ficheiro que converte todas as tabelas existentes numa pasta para o novo formato. PLA. Pode também converter tabelas para a plataforma ANDROID e para formato HTML, podendo depois ser exportadas e lidas nos dispositivos móveis.
Com vários alunos a usar o mesmo computador, pode criar diferentes configurações (com ou sem varimento, por exemplo) e abri-las de acordo com as necessidades de cada criança.
Uma nova opção Fixar o cursor à célula, criada para facilitar o controlo pelo olhar (menu Opções) foi também adicionada a pedido da empresa Iribond.
Foram, claro, traduzidas para português todas as opções possíveis.
Uma das opções mais interessantes existentes, ainda que não seja recente, é o Jogo Saber qual é (menu Opções 2). Ao activar esta opção, no menu ou com a tecla de função F2, o programa vai questionando o utilizador sobre os símbolos da tabela que está aberta - é uma forma de realizar autonomamente a aprendizagem de símbolos.

"O silêncio da ausência de fala nunca é de ouro. Todos temos que comunicar e interagir uns com os outros...Não apenas de uma forma mas de todas as formas possíveis. É uma necessidade humana fundamental, um direito humano fundamental. E muito mais que isso, é uma energia humana fundamental." (Bob Williams, 2000)

educar para a diversidade É já amanhã que começa o Ciclo de Seminários Educar na e para a diversidade: Tecnologias de Apoio para a Inclusão!

As tecnologias de apoio desempenham um papel fundamental na inclusão dos alunos com Necessidades Educativas Especiais. Em muitos casos, o seu papel é o de serem ferramentas excepcionais para que os utilizadores de sistemas aumentativos de comunicação possam expressar-se plenamente. Congratulamo-nos, por isso, com a escolha da temática da comunicação para iniciar este Ciclo.

O acolhimento aos participantes está previsto para as 16h:30. A partir das 17h, inicia o tema unificador deste dia, o Espectro da Comunicação, tendo sido convidados como oradores alguns especialistas nesta área. Na sessão de abertura contaremos com a presença de Abel Baptista, da Comissão de Educação Ciência e Cultura; Joaquim Melro, do Centro de Formação António Sérgio; José António Sousa, do Agrupamento de Escolas D. Dinis; Sofia Figueiredo, da Associação de Famílias e Amigos dos Surdos; Assunção Ataíde, do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas e David Fonseca, da SUPERA.

Das 18:30 às 19:30, Rui Ferreira irá moderar as intervenções apresentadas na primeira parte, seguindo-se um coffee break de 30 minutos.

Às 19:30 tem início a segunda parte, com as comunicações Comunicação e empowerment dos surdos, apresentada por Joaquim Melro, da Universidade de Lisboa, e Comunicação Aumentativa: Importância pedagógica das tecnologias de apoio, apresentada por Rui Fernandes, do CANTIC.

Após as comunicações, abre-se um espaço para debate, que se prolongará até às 20:30.

Pode descarregar Programa do primeiro dia do Ciclo de Seminários TAI.

Para ver mais fotos consulte o Flickr do CANTIC.

Este slideshow necessita de JavaScript.

1

Várias opções de cores no PictoSelectorO Picto-Selector, de que falámos há algumas semanas quando da tradução do site de suporte para português, esconde muitas possibilidades que só ficam disponíveis se escolhermos o Utilizador Avançado, no menu Configurações. Apesar da escolha deste modo de trabalho poder tornar a utilização do programa mais complexa, há opções que convém conhecer para, em último caso, activarmos o modo de Utilizador Avançado quando as precisarmos.

Uma das observações constantemente repetidas pelos professores ao trabalharmos com tabelas de comunicação refere-se à necessidade de encontrar formas de minimizar os custos de impressão. O Picto-Selector oferece várias possibilidades de alterar as cores, permitindo adequá-las a fins específicos (por exemplo, escolhendo cores para alunos com algum tipo de défice visual) ou prolongar a vida útil dos tinteiros. Pode mudar a cor de fundo (para usar a chave de Fitzgeral, por exemplo) mudar as cores dos pictogramas, etc. Como Utilizador Avançado, as opções Antes de colorir e Desaparecer (ou Desvanecer) deixam mudar as cores dos pictogramas para Negativo ou Tons de Cinza, substituir cores individualmente ou alterar o grau de transparência. Experimente.

Se tem usado o Picto-Selector, sabe que não existe forma mais simples de pesquisar pictogramas em várias bibliotecas de símbolos. O que pode não ter reparado é que a última versão disponível tem pela primeira vez totalmente traduzidos os símbolos ARASAAC em português! Esperamos que possa utilizá-los com os seus alunos e, se encontrar erros, não hesite em contactar-nos ou, alternativamente, inscrever-se como tradutor.

BOA PÁSCOA!

1

Ecrã inicial das actvidades do Plaphoons Chispas de LuzSe já se habituou a usar o Plaphoons, sabe que o programa foi especialmente criado para comunicação aumentativa mas pode também ser usado para actividades pedagógicas, como temos vindo a mostrar. As nossas propostas têm incidido na exploração de temas como o Carnaval, as roupas de inverno ou as férias de verão. A construção é linear - o primeiro ecrã introduz a actividade. Clicar envia para o segundo ecrã. A partir daqui, quando o aluno escolhe a resposta correcta, o Plaphoons abre o ecrã seguinte e assim sucessivamente até ao ecrã de conclusão.

O conjunto de actividades que hoje propomos, muito poeticamente chamado Chispas de Luz, é a tradução de actividades existentes no site do autor, Jordí Lagares, e apresenta um menu inicial a partir do qual o aluno pode explorar cores, quantidades, frutos, vogais, números e transportes. Cada actividade progride para níveis de complexidade mais elevados.

Utiliza voz de síntese e, mais uma vez, pode usar-se a possibilidade de, ao abrir um ecrã, ouvir uma mensagem inicial (escolher Ao abrir uma tabela, ler o conteúdo da primeira célula, no menu Opções)a que o aluno deve responder seleccionando a opção correcta. Caso queira ouvir novamente a mensagem inicial, pode premir o ícone do altifalante, no canto inferior direito do ecrã.

Descarregue o ficheiro comprimido Chispas de Luz, descomprima-o e, depois de lançar o programa Plaphoons, inicie as actividades a partir do ficheiro index.pla. Acrescente novos ecrãs para tornar o conjunto de actividades mais rico ou separe as actividades por níveis de complexidade. Partilhe os resultados com os seus colegas ou envie-nos para colocarmos aqui.