Saltar para o conteúdo

 Todos os dias clicamos inúmeras vezes para procurar, ler, ouvir, ver, interagir, jogar e criar. Estamos a fazê-lo da forma certa? Atrás de cada clique, há informação ou conteúdo que alguém criou. Sabemos onde procurar informação ou em que fontes acreditar? Sabemos como devemos relacionar-nos criticamente com a informação, com os meios de comunicação ou com a tecnologia?

A semana Global Media and Information Literacy, que se celebra anualmente desde 2012, decorre este ano de 25 de Outubro a 1 de Novembro. Esta iniciativa liderada pela UNESCO reúne vários actores comprometidos com a promoção da literacia da informação como meio de fomentar a inclusão social e o diálogo intercultural.

Para saber mais sobre a sexta celebração anual da Literacia da Informação e dos Media visite a página Global MIL Week 2017.

Para registar um evento relacionado com esta semana, visite a página de registo da Global Mil Week 2017.

Para juntar-se às celebrações deste evento mundial pode acolher uma ou mais das 10 maneiras de celebrar a Global MIL Week propostas pela UNESCO.

Se for uma escola, pode descarregar o ficheiro com 10 formas baratas de as escolas celebrarem.

Para aprofundar esta temática, pode utilizar as várias publicações sobre literacia da informação da UNESCO.

Finalmente, mesmo que este ano não consiga juntar-se ao evento, e dada a actualidade e urgência da formação de utilizadores críticos e conscientes, atrevemo-nos a sugerir a leitura de três documentos.
Understanding information literacy: a primer (PDF em inglês)
Alfabetização midiática e informacional: currículo para formação de professores (PDF em português do Brasil)
Media education: a kit for teachers, students, parents and professionals (PDF em inglês)

Positive Online Content CampaignEsta semana decorre a Campanha de Conteúdo Online Positivo. O Centro Internet Segura publica conteúdos que visam a sensibilização para esta questão. Crianças, professores e educadores, pais e cuidadores, produtores e provedores de conteúdo para crianças podem (e devem) envolver-se e beneficiar desta campanha!

A iniciativa de sensibilização está a ser coordenada a nível europeu em cooperação com a plataforma Better Internet for Kids e a rede Insafe, que o Centro Internet Segura Português integra.

O objetivo final da campanha é criar uma experiência online melhor para crianças: uma internet com conteúdo online positivo que "permite o seu crescimento, aprendizagem e diversão, desenvolvendo uma visão positiva de si e o respeito pela sua identidade, contribuindo para o aumento da sua participação na sociedade e motivando a produção e distribuição do seu próprio conteúdo positivo".

Além da promoção genérica dos conteúdos online positivos através de um novo website com vários exemplos em toda a Europa, a campanha também tem como objetivo fornecer ferramentas concretas e práticas que ajudem na criação e divulgação destes conteúdos. Criadores, educadores e pais têm acesso a uma lista de verificação com qualidades e critérios para conteúdo online positivo (disponível em português).

Para mais informações e para aceder aos conteúdos publicados em português, veja a página do Centro Internet Segura.

Sobre a campanha europeia visite o novo site (em inglês) Better Internet for Kids - Positive Online Content.

Pode ainda participar consultando a lista de verificação de conteúdo online positivo. Também pode ver, usar e partilhar os exemplos de conteúdo positivo e seguir @Insafenetwork e o hashtag #positivecontent no Twitter ou gostar da página Insafe no Facebook.

 De acordo com o texto de apresentação, o TED-Ed é uma plataforma que tem como missão celebrar as ideias de professores e alunos de todo o mundo. Fá-lo de forma extraordinária. Sob o moto Lições que vale a pena partilhar, este incrível espaço agrega conteúdos para aprendizagem que os professores podem utilizar como ajuda para trabalhar um número cada vez maior de conteúdos. Apesar dos curtos cinco anos de vida, já foram produzidos nesta plataforma mais de 250 mil vídeos e foram respondidas mais de 15 milhões de perguntas.

Se ainda não conhece o TED-Ed, este Verão é a melhor altura para passear por este enorme e fascinante universo e conhecer as suas potencialidades. Para perceber imediatamente de que se trata, pode ver o vídeo de apresentação no qual a equipa responsável pela plataforma mostra as suas características mais relevantes e o modo de funcionamento. Apesar da plataforma estar em inglês, a legendagem dos vídeos e a possibilidade de modificar as lições, traduzindo-as e adaptando-as de modo a responderem às necessidades dos alunos deverá permitir a utilização sem grandes percalços e certamente sem muito mais trabalho do que preparar outras lições. Também é possível contribuir com animações e vídeos novos e, além disso, podemos usar qualquer vídeo do Youtube para criar uma lição no TED-Ed.

Sugerimos em seguida, uma lição para responder à pergunta Qual o tamanho do Oceano? Ficamos a saber que não há cinco oceanos mas apenas um, que ocupa cerca de 71% do globo terrestre. Para saber mais, veja o vídeo de Scott Gass How Big is the Ocean?

Ou então, veja a resposta a uma pergunta menos apropriada - mas não menos premente - para este tempo sobre como é que um iglu nos mantém quentes (How An Igloo Keeps You Warm).

Todos os dias são bons para experimentar o prazer de ler mas o Verão dá-nos as sombras quentes e o tempo de lazer que nos fazem querer ainda mais folhear um livro ou uma revista ou um jornal e comungar das histórias - inventadas ou reais - que percorrem os nossos mundos - reais ou imaginados.

A história que propomos hoje não pode ser folheada mas tem outras virtudes. É uma história de Verão pensada para alunos numa fase inicial de leitura e adaptada ao programa Plaphoons.

Pode descarregar a história Um dia na praia para o Plaphoons.

Juntamos também um vídeo explicativo. Para além de poder ouvir a história, se não costuma usar o Plaphoons, no vídeo encontra também a forma de funcionamento do programa.

A Direção-Geral da Educação lançou recentemente a publicação Tratar os Media por tu - Guia Prático de Educação para os Media.

Elaborada por grupo de investigadores do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, esta brochura apresenta um modelo teórico de competências que é uma proposta de leitura da literacia mediática e traça ao mesmo tempo as linhas diretrizes da brochura. O modelo coloca no topo quatro dimensões, isto é, competências mediáticas, interligadas, transversais e aplicáveis a diferentes áreas e contextos da educação para os media: criação, pensamento crítico, interação e criação de redes, e participação. A partir destas competências desenvolveu-se uma série de indicadores definidos por duas dimensões comuns: Análise e Expressão. Estas dimensões abrangem o conjunto de indicadores, descrevem e identificam aspetos distintos mas interligados do processo de desenvolvimento das respetivas competências, pretendendo ser universais e adaptáveis a diferentes contextos educativos e formativos.

Desta forma, o modelo, além de representar a conceção de literacia
mediática que fundamenta o conjunto de atividades produzido, permite
também identificar, por cada atividade proposta, os indicadores envolvidos
e as competências desenvolvidas e/ou fortalecidas.

Esta publicação oferece aos docentes um conjunto de vinte propostas práticas para a abordagem dos Media em contexto de sala de aula.

Aproveite este tempo de lazer para descarregar e ler a brochura Tratar os Media por tu - Guia Prático de Educação para os Media.

 Termina no final deste mês do mês de Setembro o prazo para análise da Alteração ao Decreto-lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro. Até ao dia 31 de agosto 30 de Setembro de 2017, é possível enviar sugestões relacionadas com o conteúdo deste documento para o endereço de correio eletrónico edinclusiva@dge.mec.pt.

No início de Julho fomos surpreendidos com a versão para consulta pública da alteração ao Decreto-lei n.º 3/2008 que plasma em forma de texto os resultados de um período longo de consultas, recomendações e conclusões recolhidas e elaboradas pelo grupo de trabalho criado pelo Despacho n.º 7617/2016 em meados do ano passado.

A importância central deste texto para o futuro da escola em Portugal leva-nos a relembrá-lo. As alterações substanciais preconizadas devem ser objecto de uma reflexão fundada na leitura desapaixonada, na experiência de cada um e na partilha aberta e séria de soluções que possam contribuir para uma educação mais adequada para todos os alunos, "numa escola inclusiva onde todos e cada um dos alunos, independentemente da sua situação pessoal e social, encontram respostas que lhes possibilitam a aquisição de um nível de educação e formação que permita a sua plena integração social."

Descarregue, leia e comente o documento Alteração ao Decreto-lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro – Versão para consulta pública e, se tiver sugestões, gaste o endereço de correio eletrónico edinclusiva@dge.mec.pt.

25% dos adultos com deficiência nunca usaram a internet (Office for National Statistics, Reino Unido)

As promessas da era digital relativamente à inclusão vão sendo lentamente cumpridas. No entanto, mais de metade da população mundial continua sem acesso à internet (Internet World Stats). Se em muitas situações não podemos ter influência directa nas condições de acesso, no caso das pessoas com deficiência, podemos publicar os nossos conteúdos com o menor número possível de barreiras.

Num artigo recente, David Swallow resume as medidas a tomar para ter em conta as necessidades dos utilizadores com deficiência auditiva - uma área em que não encontramos muita informação disponível - no acesso à web. O autor baseia-se numa entrevista a Ruth MacMullen, da Universidade York St John, que explica como é que a experiência de ser surda afecta a sua utilização da web, e refere os seguintes aspectos importantes a considerar ao publicar conteúdos:

  • Providenciar legendas
  • Verificar a precisão das legendas
  • Certificar-se de que as legendas estão sincronizadas com o áudio
  • Providenciar um resumo do conteúdo de áudio e vídeo
  • Garantir que o áudio não inicia automaticamente
  • Estruturar o conteúdo
  • Manter o conteúdo flexível

Para ler o artigo e aceder a vários outros conteúdos e recursos visite o site Headstar.

Palhaço deitadoA propósito de uma formação recente em tecnologias de apoio para leitura e escrita em que, entre outros recursos, explorámos a plataforma Tar Heel Reader, propomos novamente uma visita às mais recentes publicações em língua portuguesa.

Frutos ou fruits apresenta os nomes de alguns frutos em português e inglês.

Lengalenga periódica é uma mnemónica sobre o primeiro grupo (1A) dos elementos químicos da tabela periódica (Hidrogénio e Metais Alcalinos)

Uma flor chamada Maria propõe-nos uma adaptação de um belíssimo livro de Alves Redol.

A quinta da minha tia é a história de um cão chamado Bobi que adora pintainhos.

Sentimentos é um livro sobre a importância da amizade.

Método das 28 palavras é um conjunto de páginas com imagens originais criadas por alunos do Curso Profissional de Design Gráfico da Escola Secundária de Sacavém e que podem ser usadas com um conhecido método de aprendizagem da leitura e escrita.

O número de livros em português cresceu para os 112, graças aos nossos magníficos autores. O número de livros lidos na plataforma Tar Heel Reader caminha a passos largos para os 11 milhões. É um número impressionante que demonstra o sucesso mas também a versatilidade e utilidade da plataforma. Boas leituras e atreva-se a colaborar com as suas histórias, imagens e criações!

uvem de plalavras relacionadas com a inclusãoNo âmbito do projeto Melhorar a capacitação das lideranças e sensibilizar os encarregados de educação para a Educação Especial, a Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) publicou o guia de boas práticas em educação especial A Escola Inclusiva: Desafios.

Este guia parte das conclusões do trabalho dos inspetores da Educação nas visitas às escolas do país. No primeiro capítulo caracteriza-se a situação actual das escolas no que respeita à inclusão, os aspectos positivos e os aspectos a melhorar nos diferentes campos da intervenção. O segundo capítulo apresenta os referenciais para reflexão e ação em cada uma das oito dimensões estudadas. Alguns parágrafos são dedicados às tecnologias de apoio. O terceiro capítulo apresenta seis exemplos de boas práticas em educação especial nas escolas.

O projeto Melhorar a capacitação das lideranças e sensibilizar os encarregados de educação para a Educação Especial teve início em julho de 2016 e visa:

  • Sensibilizar as lideranças de topo e intermédias (diretores de turma e coordenadores de departamento) para o caráter multidimensional da intervenção junto de crianças e jovens com NEE, apelando a uma atitude colaborativa dos docentes para com as famílias e as comunidades;
  • Potenciar competências de cooperação com outros docentes e demais técnicos perspetivando uma intervenção multidisciplinar;
  • Promover boas práticas, visando uma adequada gestão das situações de aprendizagem conducente à efetivação de uma escola para todos;
  • Sensibilizar os pais e encarregados de educação para a Educação Especial;
  • Divulgar conhecimento sob forma de um guia de boas práticas com enfoque na Educação Especial.

Serão ainda promovidos cinco seminários para divulgação, debate e reflexão sobre o conhecimento produzido.

Descarregue o guia A Escola Inclusiva: Desafios no sítio web da IGEC (formato PDF, 4,4 MB). Opcionalmente, pode consultar o guia A Escola Inclusiva: Desafios na plataforma Issuu.

Professora Olga LizasoainA professora Olga Lizasoain, pedagoga e autora de livros sobre o apoio escolar a alunos em contexto hospitalar, ministrou recentemente mais uma edição do Curso Pedagogia hospitalaria na plataforma Miríada X.
O curso apresenta os aspectos específicos do trabalho com alunos hospitalizados que, para além de conviverem com a doença e com os respectivos procedimento médicos, devem também resolver os problemas da ausência de uma vida normal e os impactos sobre os contextos escolares, sociais e familiares.
Os objetivos do curso são analisar o impacto da doença e da hospitalização na vida pessoal e social dos alunos e das famílias e apresentar propostas de ação a partir da pedagogia hospitalar para a inclusão social e escolar dos alunos em situação de doença.
Aberto para consulta a todos os interessados, o curso é constituído por 7 módulos: Contextualização da Pedagogia Hospitalar; A doença na etapa infanto-juvenil; A hospitalização e suas características; Indicações gerais de actuação pedagógica no hospital; As aulas hospitalares; Intervenção educativa domiciliária; O regresso à escola.
O curso está disponível em língua espanhola.
A plataforma Miríada X é uma iniciativa da Telefónica Educación Digital e da Universia que, desde janeiro de 2013, apresenta cursos online (MOOC) de excelente qualidade, propostos por de centenas de universidades ibero-americanas num espaço em que se transmitem conhecimentos de forma livre de modo a fomentar a partilha de experiências e ideias.
[Este artigo foi também publicado no blogue das escolas de hospital.]