Saltar para o conteúdo

 Na semana passada trabalhámos com uma criança cuja actividade favorita é assistir a vídeos de um personagem famoso dos desenhos animados.
Como cada vídeo tem que ser lançado pelos professores identificámos, entre outras melhorias, a possibilidade de ser o aluno a iniciar a reprodução de episódios específicos.
No entanto, devido às dificuldades motoras, não pode movimentar o rato e activa o botão direito involuntariamente.
Para utilizar programas de estimulação ou de causa-efeito e algum outro software podemos muitas vezes socorrer-nos apenas do botão esquerdo do rato podendo, por isso, fixar o rato e bloquear o botão direito.
Para impedir a deslocação do rato podemos usar material antiderrapante ou, de forma mais permanente, colar fita velcro no rato e na mesa.
Para bloquear o botão direito existem várias opções. A mais imediata consiste em colocar um papel dobrado ou Bostik/Blu-Tack/Patafix por baixo do botão. Para resultados mais permanentes, pode usar-se cola quente. Uma outra solução consiste em alterar o funcionamento do rato através de software: alguns controladores de rato (veja em Painel de controlo/Alterar definições do rato) permitem bloquear os botões; também pode descarregar um programa como o Kid Key Lock, que bloqueia os botões, a roda central ou mesmo o duplo clique.
Finalmente, uma solução caseira muito interessante, proposta por Linda J. Burkhart, é a Casa do Rato.

 Hoje propomos um jogo criado em JClic que consiste em encontrar as diferenças existentes entre dois desenhos aparentemente iguais.

Este conjunto de actividades foi criado para crianças que frequentam o Jardim de Infância. As actividades estão em sequência, por anos, de acordo com o grau de dificuldade. O número de actividades e o grau de dificuldade - número de diferenças a encontrar e complexidade das imagens - para as crianças de três anos é inferior ao número de actividades e dificuldade das actividades para os cinco anos.

Além disso, de modo a tornar os exercícios ainda mais agradáveis e evitar a rotina, há quebra-cabeças intercalados, com um número diferentes de peças dependendo das idades.

Para marcar o final de cada bloco de exercícios, e antes de voltar ao menu principal de escolha do grau de dificuldade, surge uma animação.

Este tipo de exercício é mais uma possibilidade do JClic e, apesar do valor pedagógico intrínseco das actividades que aqui deixamos, esta ideia pode ser usada com imagens que contenham números, quantidades ou outros temas e matérias que queiramos explorar de forma lúdica.

Descarregue as actividades JClic Encontrar as diferenças (formato .zip) e descomprima o ficheiro encontradiferencas.zip para a pasta Encontradif. Depois, a partir do JClic, abra o ficheiro encontradif.jclic.zip nessa pasta.

Se tiver dificuldades no processo ou sugestões de melhoria, não se esqueça de nos contactar.

""Hoje é #DiaDaInternetSegura, diz-nos a Google.

Mas primeiro já o tinha dito a Equipa de Recursos e Tecnologias Educativas da Direção-Geral da Educação que organizou para hoje uma sessão de videoconferência sob o tema Marca a diferença: Unidos por uma Internet melhor, de forma a comemorar o Dia da Internet mais Segura. As iniciativas que têm sido lançadas pretendem informar e proteger os utilizadores através da criação de materiais informativos e canais de apoio divulgados no site Seguranet e em eventos por todo o país.

A sessão de videoconferência Seguranet integra-se na iniciativa Líderes Digitais, que visa a promoção de comportamentos de utilização segura da internet, através da formação de jovens que possam ser mensageiros da utilização responsável das tecnologias digitais junto dos seus colegas e dos adultos da comunidade educativa.

Durante a sessão, que decorreu na EB23 José Cardoso Pires e em muitos outros pontos do país, foram partilhados materiais que podem ser usados para trabalhar temáticas como a pegada digital, o bullying, o cyberbullying, etc.

Dentre eles, o portal The Web We Want agrupa um conjunto de recursos estruturados como planos de aula, um manual para adolescentes e um manual para educadores que facilitam a tarefa de alunos e docentes no sentido de promover hábitos que ajudem à criação da internet que queremos.

Deixamos também a apresentação que serviu de base à sessão de videoconferência Seguranet (ficheiro Powerpoint, 9 MB) e que contém apontadores para muito mais recursos.

Na sua escola, que alunos utilizam o computador e a internet diariamente e são efectivamente Lideres Digitais? Desafie-os a receber formação para serem conselheiros Seguranet!

Tapete de mesa com símbolos pictográficosAgora já pode utilizar o Picto.Cloud em português. No final do ano, traduzimos o Picto.Cloud, uma ferramenta que, como dissemos anteriormente, complementa as vastas possibilidades do programa Picto-Selector, adicionando a funcionalidade de acesso a tabelas de comunicação e a partilha com outros utilizadores através de um espaço online.

Para usar o site, precisa primeiro de criar uma conta na área de registo do Picto.Cloud. Em seguida, tem que responder à mensagem enviada para o seu endereço de correio electrónico após o registo. Depois, aceda à sua conta no Picto.Cloud e seleccione a chave privada (Private key). Finalmente, no Picto-Selector, vá às Configurações do utilizador e abra o separador do Picto.Cloud. Copie para aqui a sua chave privada. Depois de colocar a chave privada verá o estado das suas folhas e páginas no painel esquerdo do Picto-Selector.

No site do Picto.Cloud pode ainda ver como partilhar as suas tabelas com outros utilizadores, como actualizar as tabelas com as alterações realizadas, como carregar e descarregar tabelas, etc.

Para conhecer melhor algumas das características do Picto-Selector e inspirar-se com alguns exemplos de utilização, visite o espaço de exemplos do Picto-Selector. e inspirar-se com alguns exemplos de utilização, visite o espaço de exemplos do Picto-Selector.

 

" "O programa para comunicação aumentativa Picto-Selector foi melhorado com o novo Picto.Cloud, uma ferramenta que facilita o acesso a tabelas e símbolos e a partilha com outros utilizadores.

Ainda em versão beta, o Picto.Cloud é um espaço online em que os utilizadores registados podem carregar as tabelas que criaram e, a partir daí, usá-las em qualquer local com acesso à internet ou, através do fornecimento de uma chave, permitir a utilização por outras pessoas.

O Picto-Selector (de que aqui falámos anteriormente, quando traduzimos a página de apoio à utilização do Picto-Selector) é um programa gratuito de criação de tabelas para comunicação aumentativa com características impressionantes. Dentre as muitas razões que justificam a sua descarga, destacamos um extensíssimo conjunto de imagens - mais de 28000 símbolos -, graças à utilização de bibliotecas de símbolos traduzidas em várias línguas, a facilidade de criação de tabelas e símbolos específicos para trabalhar a noção de tempo - tão apropriados para esta altura do ano!

Para já, o Picto.Cloud está disponível em inglês e holandês e, sendo uma versão beta, está sujeito a alterações significativas. Se o utilizar, pode contribuir com sugestões de melhoria contactando o autor através do sítio web do Picto-Selector.

" "Há poucos dias, recebemos a visita de um professor brasileiro que procurava documentar-se sobre a resposta das escolas portuguesas aos desafios da diversidade. Por isso, visitámos uma Unidade de Apoio à Inclusão de Alunos com Multideficiência e uma sala Snoezelen que existe no Agrupamento e que está aberta às estruturas da Comunidade que dela necessitam.

O resto do tempo disponível foi gasto num diálogo profícuo em que mostrámos o funcionamento dos Centros de Recursos TIC e o seu papel na avaliação e apoio aos alunos que precisam de tecnologias de apoio e na formação de docentes. Ao mesmo tempo, percebemos melhor a realidade das escolas do Brasil, os ganhos da escola inclusiva e os caminhos novos que vão trilhando e que se cruzam em múltiplos aspectos com o percurso de Portugal.

Entre os materiais partilhados no nosso encontro, a brochura Tecnologia Assistiva nas Escolas: Recursos Básicos de Acessibilidade Sociodigital para Pessoas Com Deficiência (2ª edição) apresenta um capítulo sobre acessibilidade, outro sobre o computador enquanto tecnologia de apoio na educação e um terceiro capítulo sobre materiais que podem ser construídos ou adpatados pelas escolas.

Por muito tempo, predominou a visão da deficiência como um problema individual, transferindo à pessoa a responsabilidade de “mudar” ou “adaptar-se” para viver em sociedade. A partir da década de 1960, essa visão começou a ser questionada e, pouco a pouco, a deficiência passou a ser entendida a partir da interação das pessoas com o contexto em que vivem. No modelo inclusivo, fundamentado nessa visão, cabe à sociedade adaptar-se para acolher as diferenças e promover condições de acesso – para todos os cidadãos, com ou sem deficiência – aos serviços coletivos de saúde, educação, trabalho, locomoção, segurança etc. (In Tecnologia Assistiva nas Escolas)

A brochura Tecnologia Assistiva (Ta): Experiências Inovadoras - Soluções de Acessibilidade apresenta alguns projectos concluídos, outros à procura de condições para avançar e ainda ferramentas gratuitas.

O livro As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas reúne contribuições de muitos autores e debruça-se sobre as tecnologias de informação e comunicação, as tecnologias de apoio e a formação de professores.

Veja algumas fotos do encontro no álbum Visita do Brasil.

Teclado de comunicação PlaphoonsRecentemente, o autor do blogue Projecte Fressa, Jordí Lagares, criou dois novos repositórios com o intuito de agregar recursos relacionados com o software que desenvolve.

O primeiro repositório chama-se Plaphoteca e reúne teclados de comunicação e actividades pedagógicas criados no programa Plaphoons. Nesta fase inicial, estão já disponíveis teclados de comunicação para diferentes utilizadores, vários teclados de escrita, teclados para interacção com jogos e teclados com outras actividades pedagógicas como o conjunto Chispas de Luz que apresentámos num artigo anterior.

O repositório Haciendo "ruido" por el mundo con el Projecte Fressa, por outro lado, pretende agrupar vídeos e páginas web em que se mostre a utilização das ferramentas criadas por Lagares e reunidas na página do Projecte Fressa.

Se criou teclados para o Plaphoons, pode disponibilizá-los no Plaphoteca. Se usa esse ou outros programas do Projecte Fressa com os seus alunos e tem vídeos documentando a sua utilização, também pode contribuir para a já enorme lista de vídeos do Haciendo ruído.

Recentemente, tivemos oportunidade de testar o novo software Barrido, um programa criado pelo Eng.º Antonio Sacco a partir dos programas Kanghooru e JavaKanghooru (pode encontrar o Kanghooru e JavaKanghooru no site de Jordi Lagares Roset).

Tanto o Kanghooru como o Barrido são emuladores de varrimento. O modo de funcionamento consiste em marcar pontos no ecrã que depois são percorridos automaticamente pelo cursor do rato. Desta forma, um utilizador de um manípulo (switch) ou de um rato adaptado pode seleccionar as diferentes opções que foram previamente marcadas no ecrã permitindo-lhe interagir com programas que não têm a possibilidade de varrimento incorporada.

O programa Barrido foi criado de modo a resolver alguns problemas encontrados com o software de Lagares em versões recentes do Microsoft Powerpoint. Entretanto, ao reescrever o programa foram acrescentadas funcionalidades que o Kanghooru não possuía originalmente.

Para saber mais sobre o funcionamento do programa de Antonio Sacco, consulte a página do programa Barrido (em espanhol) ou veja o vídeo de demonstração do Barrido no final deste artigo (legendas em português).

Destacar o cursor do rato

Um recurso referido por Antonio Sacco para facilitar a utilização do Barrido é o pequeno programa Cursor Attention, de Kenrick Mock, que permite agregar um círculo, um quadrado, um lápis, etc. ao cursor do rato, com várias opções de cores e tamanhos, para melhorar a visibilidade do cursor.

Pode descarregar este programa a partir do site de Antonio Sacco na página do Cursor Attention.

Uma escola, uma iniciativa de e-learningO e-Learning Lab da ULisboa promove, no dia 9 de Novembro de 2016, na Reitoria da Universidade de Lisboa, o Seminário - Uma Escola Uma Iniciativa de e-Learning.

No seminário serão apresentados casos de boas práticas de integração das tecnologias digitais no ensino, identificados na ULisboa e serão disponibilizados workshops de produção de conteúdos, gravação de vídeo e utilização de videoconferência com recurso a sistemas disponibilizados pela Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN).

As sessões plenárias decorrem no Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa e workshops são divididos entre a Sala de Conferências da Reitoria da Universidade de Lisboa e os estúdios da FCCN - FCT.

Para saber mais, descarregue o Programa do Seminário Uma Escola Uma Iniciativa de e-Learning.

O Seminário é gratuito mas é necessária inscrição prévia.

Capa do livro o Tesouro do João

-- Porque nascem meninos assim?
-- O João nasceu para nos tornar pessoas melhores. (Pai do João)

A Associação Pais-em-Rede lançou, no dia 24 de Outubro, na Fundação Calouste Gulbenkian, mais um conjunto de três histórias da colecção Meninos Especiais. Isabel Stilwell, Ana Zanatti e Afonso Reis Cabral e as ilustradoras Madalena Braga e Madalena Bastos estiveram presentes para apresentar os livros Afonso e a Espada Mágica, Alexandre, o Ágil e O Tesouro do João.

Isabel Stilwell escreveu a história do Afonso, um menino com Atraso Global de Desenvolvimento, que Madalena Braga ilustrou, retratando a forma como todos os dias surpreende os que estão à sua volta. Através do Cavaleiro e da Sereia, o Afonso consegue vencer. Ana Zanatti criou a história do Alexandre que tem Síndrome X Frágil, e Madalena Bastos deu-lhe forma, retratando a história de um menino rodeado de amor, que embora atrapalhado pelo “X” participa em todas as actividades e faz de cada passo uma nova vitória. Por último, Afonso Reis Cabral e Carla Isidro cuidaram da história do João, um menino que sofre de uma Patologia não diagnosticada que dificulta qualquer aprendizagem. O João, apaixonado pela música, levou dez anos para aprender a andar, mas todos os dias tenta superar-se com o apoio dos pais e dos irmãos.

Depois dos autores terem falado dos ganhos que representou a escrita e ilustração dos livros, os pais das três crianças retratadas deram também o seu testemunho sobre a experiência de contacto com os autores, os livros e, claro, os desafios mas sobretudo as alegrias da educação dos seus filhos.

No final, foi apresentado o Jogo do livro, criado por um aluno da Universidade Nova para complementar a exploração do texto Afonso e a Espada Mágica. O software está actualmente disponível para a plataforma Android.

À margem desta iniciativa, iniciámos um interessante diálogo sobre questões de acessibilidade, sobre o apoio a alunos nas escolas públicas e o papel dos Centros de Recursos TIC, a transição para a vida activa e a importância das pessoas com deficiência no mundo do trabalho, nomeadamente, a contribuição para a emergência de relações laborais mais humanizadas.

Os livros da colecção Meninos Especiais podem ser adquiridos directamente à Associação Pais-em-Rede.

Os três novos livros da colecção Meninos Especiais